segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

PORTUGAL AINDA É EXPORTADOR

PORTUGAL AINDA É EXPORTADOR

Há regressos, mas também há quem continue a deixar o pelotão nacional para vingar lá fora.
Portugal ainda é exportador
Os regressos de Sérgio Paulinho (para a Efapel), Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista) e Fábio Silvestre (Sporting-Tavira) ao pelotão nacional, bem como o abandono de Bruno Pires, pode entender-se como o início do fim da era dourada dos portugueses a competir no estrangeiro. Mas bem vistas as coisas, Portugal mantém-se um país exportador, pois continua a haver atletas a deixarem as estradas nacionais para tentar vingar lá fora. É o caso, por exemplo, de Rafael Reis, que vestiu a camisola da W52-FC Porto em 2016, e que na próxima temporada vai competir na equipa espanhola da Caja Rural, do 2º escalão da UCI, um acima das equipas nacionais.
Do pelotão profissional nacional sai também Daniel Silva. Um dos rostos dos últimos anos da Rádio Popular tem acordo com a brasileira da Funvic (2ª divisão), equipa que só competirá em fevereiro devido a estar suspensa por doping. A formação recebeu aval para estar no 2º escalão da UCI, mas há dúvidas nesta altura quanto à viabilização financeira do projeto.
De Portugal saem ainda os gémeos Oliveira. Ivo e Rui, ainda sem ‘percurso profissional’ no nosso país, aventuram-se no estrangeiro com apenas 20 anos. Vão correr na Axeon, de Axel Merckx, equipa que tem por base ‘formar’ futuros campeões. Exemplo disso mesmo é um português, Ruben Guerreiro, que dá o salto em 2017 para o pelotão principal.
World Tour
Guerreiro, 22 anos, é então uma das novidades no World Tour, no que aos portugueses diz respeito. O ciclista do Montijo vai correr na Trek, para onde se transferiu André Cardoso, este oriundo também de uma equipa do pelotão da 1ª divisão, a Cannondale. Os dois portugueses vão ter como chefe-de-fila o espanhol Alberto Contador.
Quem também dá o salto para a 1ª divisão é José Gonçalves. Após quatro anos em equipas de escalões inferiores – dois na LA Pomme e outros dois na Caja Rural –, o irmão gémeo de Domingos Gonçalves vai vestir a camisola da Katusha de José Azevedo e onde se mantém Tiago Machado.
Com o regresso a Portugal de Sérgio Paulinho, após 12 épocas no World Tour, Rui Costa (desde 2009) e Tiago Machado (2010) passam a ser os mais antigos portugueses a correr no estrangeiro. Em 2017, vão ser oito no principal escalão e três no segundo, sendo que os restantes dividem-se pela 3ª divisão (Continental) – o mesmo escalão das equipas portuguesas – e ainda por equipas de clube, ditas amadoras.

Autor: Ana Paula Marques
http://www.record.xl.pt/modalidades/ciclismo/detalhe/portugal-ainda-e-exportador.html
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.