sábado, 5 de maio de 2018

Giro de Itália 2018 : o guia da prova

Giro de Itália 2018 : o guia da prova


 
O Tema que não deveria ser Central, mas é!

Não há volta a dar nesta Volta a Itália.
edição 101 do Giro de Itália que começa amanhã no pais fundado em 14 Maio de 1948 por David Bem-Gurion (isso só por si já era uma “volta “bem complicada de explicar) será marcada pela presença do atual vencedor da última edição do Tour de France e da Vuelta a Espanha. Chris Froome compete no Giro sobre a suspeita do uso indevido (doping) de uma substância proibida: o salbutamol.
O que deveria ser o principal interesse do Giro: a vertente desportiva, corre o risco de passar para segundo plano.
Quando o Giro começar amanhã em Jerusalém, não saberemos ainda o desfecho final do caso Froome. A proibição de competir não cabe à organização da prova italiana pelo que a presença ou não do britânico, oficialmente é um não assunto. Froome tem o direito de competir até ser julgado e eventualmente acusado daquilo que é suspeito.
A questão aqui é a modalidade e aquilo que é mais importante: os adeptos.
Se Froome está sob suspeita porque é que não é julgado rapidamente? Uma parte acusa e o arguido defende-se! A modalidade agradece e a situação era clara. Mas com a rapidez exigida para a importância do caso. E é isso que não está a acontecer. Froome é acusado do uso de salbutamol na última Vuelta e apresenta-se na grande Volta seguinte como principal candidato a vencer. E se isso por ventura acontecer permanecerá para sempre a dúvida na cabeça dos adeptos: e se Froome fosse castigado rapidamente e proibido de competir no Giro? E esta pergunta é crucial e fundamental. É a mais importante de todas e que deveria ser respondida para a credibilidade da modalidade.
Imaginem esta situação que pode acontecer: Froome ganha o Giro 2018, é depois julgado e condenado, é retirado o seu título e entregue ao 2º classificado que sai do final em Roma.
Seria um prego muito grande para o caixão do ciclismo onde quem perde são os seus principais e mais importantes agentes: os adeptos.
Oxalá isso não aconteça.
Froome que ganhe. Se for o melhor. Mas depois que não perca na secretaria.
 
O Percurso da Edição 2018
Começa em Jerusalém dia 4 Maio, Israel e termina em Roma no dia 27 Maio.
São 21 Etapas:
1 Prólogo
1 Contrarrelógio
7 etapas planas
4 etapas de média montanha
8 etapas de alta montanha
Ver o perfil das etapas aqui
Etapas Chave:
A montanha é o prato forte desta edição do Giro de Itália e as decisões vão acontecer nesse terreno. Note-se aqui a particularidade do Giro de Itália não ter , como é habito , etapas a terminar em descida.
Destaque-se a etapa 14 de San Vito al Tagliamento ao mítico Monte Zoncolan , talvez o mais bonito anfiteatro natural para assistir a uma chegada de ciclismo e uma das mais difíceis e terríveis subidas do ciclismo profissional. Em Itália e em dureza de inclinações apenas o Mortirolo faz frente ao Zoncolan.
O anfiteatro do Monte Zoncolan
 
A ascensão ao Monte Zoncolan irá fazer-se por Ovaro e são 10km a 12% de inclinação média com rampas constantes a superar os 20%.
O Terrível Monte Zoncolan
 
contrarrelógio da etapa 16 poderá alargar as distâncias de tempo entre os candidatos ou encurta-las. Dependerá de quem perder tempo nas 4 etapas de montanha ultrapassadas até à luta individual contra o relógio. São 34,2km para puros contrarrelogistas com uma pequena dificuldade sensivelmente a meio. Apesar de importante, mas pela montanha que está guardada para depois da etapa 16, este contrarrelógio não deverá ser decisivo para o desfecho final do Giro 18.
Etapa 16 : CRI  - 34,2km
 
 
A terceira e última semana de competição traz 3 etapas com chegadas em alto onde o desgaste já acumulado pode ser fatal para alguns ciclistas.
Etapa 18 ( 196km): com final em PratoNervoso. O terreno é plano até ás primeiras rampas da ascensao que é longa mas não é muito inclinada. São 16km com 5,8% de média.
Prato Nervoso
 
Etapa 19 (184km) : etapa de alta montanha com 4 contagens de elevada dificuldade. A passagem pelo Colle Finestre e os seus 2178m de altura marcam a “Cima Coppi”, o ponto mais alto da edição de 2018. Apesar de localizada a cerca de 76km da meta o Colle delle Finestre pode ser peça importante para o desfecho final.
Colle delle Finestre

Haja quem tenha força para atacar e partir a corrida nos seus 18km com média 9%. Parte da subida, os últimos 9km , são em terra e a descida será muito exigente. A subida final da etapa é a Jafferau. É dura : são 7km a 10%.
Etapa 19: Venaria Reale - Bardonecchia (Jafferau) : 184km
 
Etapa 20 ( 214km) : etapa muito longa e a última oportunidade para alterar a classificação da geral. Os últimos 100km tem 3 subidas de 1º cat . O final em Cervinia e apesar dos 18km de terreno inclinado não é muito exigente, a etapa acabará mesmo em terreno plano, pelo que os ataques terão de acontecer nas subidas anteriores: Col Tsecore ( 16km a 7,7% ) e depois o Col de St Pantaléon ( 16,5km e 7,2%).
Etapa 20: Susa - Cervinia : 214km
 
As Figuras

Há 4 grandes figuras do Giro de Itália. São elas os seus 3 recordistas de vitórias: Alfredo Binda, Fausto Coppi e Eddy Merckx , ambos com 5 vitorias e também Gino Bartali com 3 vitórias e 4 segundos lugares. Bartali e Coppi protagonizaram os mais belos e empolgantes duelos que a prova italiana conheceu. Ver aqui.
 
Coppi vs Bartali : duas figuras maiores do ciclismo mundial saboreando um charuto
Não podendo eternizar estes heróis, naturalmente que em 2018 as figuras serão outras.
Tom Dumoulin (Team SunWeb)
 
O dorsal nº1 pertencerá a Tom Dumoulin que ganhou a sua primeira grande volta no Giro 2017. Tem no CRI a sua principal arma mas defende-se muito bem na alta montanha como se viu o ano passado. Mas este Giro tem muita…muita montanha e o holandês tem aqui um desafio de superação. O jovem Sam Oomen é a sei principal companheiro podendo também ter alguma liberdade para ganhar etapas.
 
Chris Froome – Team Sky
 
 
A figura maior do Giro 2018 é Chris Froome . Para o bem e para o mal. Tirando o que já dissemos anteriormente e concentrando-nos apenas na parte desportiva, o britânico é o principal candidato a ganhar a edição 101ª. Se ganhar, Froome é o primeiro ciclista da história a ganhar as 3 grandes Voltas consecutivamente: Tour 2017, Vuelta 2017 e Giro 2018.  Com a quantidade de etapas a terminar em alto tem várias hipóteses para fazer a diferença podendo até perder algum tempo no CRI para os seus mais diretos rivais.  É acompanhado por uma Team Sky que não é de top mas mesmo assim deverá ser suficiente para satisfazer as necessidades de Froome. David de la Cruz e principalmente Wout Poels que se estiver em modo “beber coca-cola” serão os seus principais escudeiros.
Fabio Aru (UAE Team Emirates)
 
O italiano Fabio Aru nunca venceu a prova rainha do seu pais. O melhor que conseguiu foi um 2º lugar em 2015 atrás de Alberto Contador. Aparentemente não está na sua melhor forma como se viu no Tirreno Adriático, Volta Catalunha e recentemente no Tour dos Alpes. Aru é trepador , há muita montanha nesta edição , nunca deita a toalha ao chão mas os 35km de CRI podem ser o seu calcanhar de Aquiles se a corrida for disputada ao segundo até aos metros finais. Além disso a sua UAE Team Emirates traz uma equipa onde dificilmente se encontram corredores para ajudar Aru. Jan Polanc, Diego Ulissi e Atapuma irão estar muita vez na frente da corrida, mas provavelmente na tentativa de conseguir uma vitória para a equipa árabe.
Miguel Angel Lopez ( Astana )
 
Miguel Angel Lopez , além das qualidades que lhe são apontadas tem atualmente uma vantagem: veste a camisola da Astana e isso em 2018 é sinonimo de êxito. Na Vuelta em 2017 apareceu em grande conquistando duas etapas. Apenas cedeu na parte final da competição que é precisamente a fase onde este Giro “ aperta” com 3 chegadas consecutivas em alto. Veremos como se comporta o colombiano da equipa cazaque que leva Pello Bilbao, Luis Leon Sanchez e Tanel Kangert como principais ajudas. Uma coisa temos a certeza: Miguel Angel Lopez vai dar espetáculo.
Tim Wellens ( Lotto Soudal)
 
Espetáculo é coisa que sabemos que o belga Tim Wellens da Lotto Fix All (nome adoptado para este Giro) pode dar em qualquer corrida. Wellens não sabe correr de outra maneira e a sua forma neste momento da temporada parece ser invejável. Não vai lutar pela geral mas as etapas de média montanha assentam-lhe na perfeição. O belga renovou contrato com a sua equipa até 2020 e pode aproveitar o Giro para provar que é umas das principais armas da formação belga. Se temos a certeza que Angel Lopez vai dar especatulo também temos a certeza que Tim Wellens vai atacar!
 
Thibaut Pinot (Groupama FDJ)
 
 
O francês , tal como Angel Lopez , é um dos candidatos ao triunfo sem saber o que é ganhar na geral individual de uma grande volta. Venceu o Tour dos Alpes que foi o grande teste ao Giro de Itália, mas as próximas 3 semanas são de uma exigência brutal e Pinot tem de estar na sua melhor forma para conseguir acompanhar os seus maiores rivais na frente da corrida. Melhorou substancialmente no CRI o que é um fator positivo. Negativo para Pinot é o facto de não ter equipa para o acompanhar nos momentos chaves. Vamos ver Thibaut Pinot na frente mas sempre sozinho.
 
Elia Viviani ( Quick - Step Floors)
 
 
Elia Viviani que já ganhou muito este ano é de longe o melhor sprinter presente em competição. Terá, porventura, em Sam Bennett (BORA – hansgrohe) e Sacha Modolo (Team EF Education First-Drapac p/b Cannondale) os seus principais adversários para as 7 etapas discutidas teoricamente em sprint. A Quick-Step Floors não vem discutir a geral individual, mas traz uma equipa bem oleada para proporcionar ao sprinter italiano um Giro de sonho com uma mão cheia de vitórias. A cereja em cima do bolo seria a conquista da camisola por pontos.
participação portuguesa estará a cargo de José Goncalves da Team Katusha. A equipa russa não apresenta líder e o português vai ter muitas hipóteses para brilhar e tentar conquistar uma vitoria em etapa integrando a fuga do dia. Vamos ver várias vezes Zé Gonçalves na TV.
____________________________________________________________
Startlist: aqui
Percursoaqui
Transmissão TV : Eurosport 1
Hastag: #giro #giro18 #giro2018 #giroditalia #giro101
Boas pedaladas
AT
_____________________________________________________________
Nota: ao longo da competição iremos publicar algumas crónicas aqui no Blog: as já nossas famosas “ estórias de ciclismo” e “ subidas com estória”.
Na página Facebook podem acompanhar dia a dia a edição 101ª do Giro de Italia
https://www.facebook.com/aguadeirotrepadorblog/
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.