quinta-feira, 19 de março de 2015

Compartilhamento de bikes muda perfil de cidades europeias.

Os sistemas de bicicletas compartilhadas estão formatando as cidades e até valorizando imóveis

GoBike: sistema de bikes com tablets - Foto: Divulgação

Copenhague inova de novo. Depois de ser a primeira cidade europeia a operar um sistema de bikes públicas, a capital da Dinamarca vai lançar o GoBike, novíssimo sistema de bicicletas compartilhadas que terá bikes equipadas com tablets para que os ciclistas possam localizar os melhores restaurantes, as ofertas nas lojas próximas e também os horários de partida dos próximos comboios. Qual será a próxima inovação?
O conceito de “bike-sharing” nasceu nos anos 1960, em Amsterdão, Holanda, quando os grupos da contracultura lançaram nas ruas as primeiras cinquenta “free bikes”. Elas rapidamente desapareceram e a explicação varia, dependendo de quem é o entrevistado. As autoridades afirmam que as bicicletas foram roubadas, mas os ativistas diziam que as bikes haviam sido recolhidas pela própria polícia.
A experiência somente se consolidou em 1995, com a iniciativa de Copenhague, que fechou o centro aos carros e instalou o “Bycykler København”. A partir dos anos 2000, o número de sistemas de bikes multiplicou-se pelo mundo inteiro, chegando a mais de 500, de Nova York a Dubai, de Porto Alegre à Cidade do México. O funcionamento é simples e baseia-se na ideia de que o usuário cadastrado leva uma bike num ponto da cidade e entrega-a noutro ponto, com 30 minutos gratuitos.
Os modelos mais bem sucedidos tem um número grande de bicicletas (Nova York, por exemplo, tem seis mil), dezenas de pontos de retirada e entrega e grandes estações nas áreas de maior movimento, como terminais de transporte, praças, centros comerciais e universidades. Como as bicicletas são monitorizadas eletronicamente, a administração do sistema pode ser feita a partir de uma central, por exemplo para planear a redistribuição das bicicletas.
Em Barcelona, por exemplo, a equipa do “Bicing” faz todos os dias o transporte de dezenas de bikes da parte mais baixa para os bairros mais elevados da cidade, prova inegável de que a maioria das pessoas prefere pedalar a favor da força de gravidade.
A novidade é que os urbanistas começaram a notar o poder de estruturação urbana que as bicicletas compartilhadas podem ter sobre a cidade, tal como os sistemas de transporte de massa. Um censo ciclistico realizado em Londres mostrou que nas horas do rush matutino, quase metade do fluxo de pessoas que cruzam as três principais pontes sobre o Tâmisa o fazem de bicicleta, o que levou as autoridades a criar uma série de ciclorotas e a planear novas intervenções para apoiar os ciclistas urbanos. E algumas metrópoles, como a Cidade do México, estão a fechar as suas principais vias aos domingos apenas para o tráfego de bikes.
O impacto começa a ser sentido também no mercado imobiliário londrino. Assim como as casas próximas às estações do metro são mais valorizadas, recentes pesquisas revelam a valorização dos imóveis próximos de ciclovias, ciclorotas e estações de bikes compartilhadas.
Ainda, os sistemas de bikes permitem o acesso das pessoas a áreas das cidades inacessíveis à noite, quando o transporte público deixa de funcionar. Em Montreal e Toronto, Canadá,  quatro entre dez pessoas compram mais nas lojas próximas às estações de bicicletas, segundo uma pesquisa dirigida por Susan Shaheen, na Universidade da Califórnia (Berkeley). Ainda segundo essa pesquisa, em Washington (EUA) mais de 80% dos entrevistados declararam preferir shoppings e restaurantes que tenham fácil acesso aos sistemas “bike-sharing”.
Enquanto isso, o sistema continua a se desenvolver com rapidez. As novidades incluem o barateamento do modelo, com a utilização de aplicativos para a localização das bikes, sem a necessidade de estações, solução já em uso em Berlim, na Alemanha. E em breve sistemas com bicicletas elétricas permitirão viagens mais longas, com menor esforço, permitindo o uso de pessoas idosas. Em 2012, uma conferência que reuniu prefeitos de centenas de cidades dos Estados Unidos concluiu o seguinte: “Cidades que investiram em facilidades para pedestres e ciclistas foram beneficiadas com maior qualidade de vida, saúde da população, valorização imobiliária, redução da poluição e, claro, mais alternativas de transporte urbano”.
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.